Num estreito corredor de vila semelhante a um corredor de bonde ("tranvía", em espanhol) na Rua Conselheiro Brotero do bairro Santa Cecília nascia, em 1997, o restaurante tipicamente uruguaio "El Tranvía", construído, como a cidade de São Paulo, com a contribuição ativa de migrantes e imigrantes dos mais variados países.

Idealizado como um cantinho para reunir os amigos que gostavam de uma boa carne grelhada na brasa de lenha ao estilo uruguaio, o "El Tranvía" acompanhou o tempo e se transformou em um dos melhores restaurantes de São Paulo.

O restaurante "El Tranvia" ganhou notoriedade pela qualidade do serviço, atendimento personalizado, excelente qualidade de suas carnes com cortes uruguaios e argentinos, e pelos excelentes vinhos das melhores regiões vitivinícolas do Cone Sul.

Após diversas reformas para aprimorar o atendimento dos clientes, o restaurante tornou-se um ambiente refinado, de bom gosto e aconchego, premiado por conceituadas publicações gastronômicas. Com a criação de um espaço destinado às artes plásticas em 2004, o restaurante adotou o nome "El Tranvía Cultural", uma variante da identidade uruguaia que transmite o maior valor da humanidade, que é a cultura. O espaço destaca que as diferenças, mais do que as semelhanças, dão origem à riqueza dos povos.

A arquitetura da casa transmite o conceito de "lembrança",
de agradáveis recordações do país de origem, como sua fachada, uma homenagem a "Puerta de la Ciudadela", um dos ícones de Montevidéu. Da mesma maneira, a entrada com um amplo bar e o espaço cultural são cobertos por um teto curvo, remetendo a uma antiga estação de bondes.

Diversos ambientes encantam o visitante com reminiscências de antigos pátios, legado da colonização espanhola e muito comuns em casas de Montevidéu, com fonte e poço de água, pisos de ladrilho decorado rodeados por vegetação.

Esta é a nossa contribuição a cidade que nos acolheu,
onde chegamos com esperanças de um futuro melhor, fincamos raízes e criamos nosso filhos, tomando parte na sociedade brasileira.